Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Espiritualidade geral’ Category

Espíritos das trevas

 

OS ESPÍRITOS DAS TREVAS TÊM ALGUMA IMPORTÂNCIA?

Em nosso mundo, os espíritos de luz e os espíritos das trevas têm a mesma importância e a mesma função no equilíbrio planetário que o dia e a noite. Sem a noite, o dia não seria coisa alguma… sem o dia, a noite não seria nada.

Luz e sombras são dois polos de uma equilíbrio universal. O espírito das trevas destrói para que o espírito de luz ajude a reconstruir. O espírito das sombras ajuda a matar para que o espírito de luz ajude a fazer renascer. Como diz uma máxima do Budismo tibetano: “Nosso maior inimigo é nosso maior mestre”.

Como exemplo, Judas foi o discípulo de Jesus mais importante, pois foi aquele que entregou Jesus e, quando fez isso, permitiu que Jesus pudesse morrer, ressuscitar e depois ascender aos céus.

Graças a ressurreição o cristianismo foi impulsionado ao mundo, inspirando bilhões de pessoas na prática do bem. Por isso, luz e trevas, bem e mal, são essenciais no equilíbrio do universo material.

Precisamos da escuridão para podermos chegar até a luz… assim como precisamos da vida na matéria para ascender a vida do espírito. Só podemos renascer quando morremos.

(Hugo Lapa)

Read Full Post »

O que é fazer o bem?

 

O QUE É FAZER O BEM?

Quando ouvimos essa frase, “fazer o bem”, a primeira ideia que nos vêm a mente é daquele homem que faz um trabalho social num asilo, ou daquela mulher que visita hospitais dando carinho aos doentes, ou daquele padre que distribui comida aos pobres, ou daquele milionário que doa um milhão a uma uma ONG de tratamento de câncer.

No entanto, do ponto de vista espiritual, esses exemplos formam apenas um modo daquilo que costumamos chamar de “fazer o bem”.

Mas o que é verdadeiramente fazer o bem? Como uma pessoa pode iniciar esse trabalho de fazer o bem? Vejamos alguns tópicos que podem explicar com mais clareza o que a espiritualidade superior considera como fazer o bem.

Fazer o bem é, em primeiro lugar, viver sob uma perspectiva de vida que é maior do que nós mesmos, acima de nosso interesse pessoal, rejeitando o egoísmo e a prepotência. Fazer o bem é extirpar de nossa vida todo o egocentrismo, compreendendo que vivemos numa sociedade e que nossos interesses não são maiores do que os interesses coletivos e planetários. O fim do egoísmo, do orgulho e da vaidade é o maior bem que fazemos realizar no mundo.

Fazer o bem é não julgar nossos semelhantes. De nada adianta frequentar sua igreja, seu centro, dar sopa aos pobres, mas julgar os pobres, ou quaisquer outras pessoas em nossa vida. O ato de não julgar, não emitir julgamentos contra a pessoa a quem quer que seja, é uma das formas mais sublimes de bem que podemos realizar no mundo.

Fazer o bem é não reagir ao mal, mas devolver a ofensa em forma de amor e compreensão. Aqueles que dão sopa aos pobres em sua igreja, mas brigam com o motorista que os fechou no trânsito estão ainda engatinhando na missão do bem na Terra. Fazer o bem é não guardar mágoa, não cultivar rancores, não se deixar abater pelas ofensas, pelas calúnias. É compreender que cada qual tem a livre escolha de ser e fazer, e mesmo que isso nos afete, é preciso amar e respeitar o outro.

Não devolver o mal com o mal, a ofensa com com a ofensa, a agressão com a agressão. Ao contrário, devolver o mal com o bem, a ofensa com a ternura, a agressão com amor, a impaciência com a paciência, as trevas com a luz. Uma das maiores caridades que podemos fazer ao semelhante não é dar comida ou dinheiro, mas sim dar amor em troca de ódio. Quando uma pessoa nos dá uma tapa na cara, não revidar… e ainda proferir palavras de compreensão, harmonia e paz. Não adianta tratar bem quem gostamos e destratar quem não gostamos. Fazer o bem é principalmente tratar bem quem não gostamos ou quem nos fez mal. Isso vale muito mais do que dar comida e dinheiro aos pobres.

Fazer o bem é ser compreensivo com os defeitos das pessoas. É entender que cada pessoa se encontra num certo nível de desenvolvimento, num plano de maturidade emocional e mental. Fazemos o bem quando nos colocamos no lugar do outro, dentro do seu ponto de vista, e lhes confortamos com o entendimento de sua experiência.

Fazer o bem é perdoar, é amar a todos, sem distinção. Melhor do que ir a um hospital e dar carinho aos doentes, é cultivar a tolerância e o amor para com todos. Ninguém precisa visitar instituições sociais para fazer o bem. Não brigar com nosso vizinho, não enxotar o cão, não fugir do mendigo na rua e trata-lo como igual são o caminho do bem. Não obrigar uma pessoa a fazer o que ela não deseja, dar liberdade aos outros de serem e fazerem o que desejam, não impor nossa vontade nem determinar o que é certo e o que é errado na vida do outro, isso é fazer o bem. Não discriminar aqueles que pensam diferente, não tentar ser melhor do que o outro, não manipular, não tentar forçar uma situação de acordo com nossa vontade. Isso é verdadeiramente o bem.

Podemos começar a fazer o bem agora… Nesse momento. O bem está em tudo e em todos os lugares. Basta colocar em prática.

(Hugo Lapa)

 

Read Full Post »

Não espere nada

 
beach-2377039

NÃO ESPERE NADA

Tudo aquilo que você acha bom, um dia se transformará em algo ruim.

E tudo aquilo que você acha mau e ruim, depois pode voltar a ser bom.

Vamos oscilando entre o bom e o mau, entre o prazer e o desprazer, entre a vida e a morte.

Os mestres e os espíritos de luz sempre dizem que o objetivo da vida não é viver o bom, o agradável, o prazeroso, o conforto… e consequentemente extirpar o mau, o desagradável, a dor, etc, pois sempre que lutamos pelo bom, o mau aparece logo depois. Isso é automático, é uma lei natural, não podemos fugir disso. Se hoje existe uma coisa boa na sua vida, depois isso vai inevitavelmente se transformar em algo ruim.

Por exemplo, hoje estamos num relacionamento maravilhoso, bom, prazeroso. Amanha se esse relacionamento termina… o bom deixa de ser bom e passa a ser mau. O bom de hoje se transforma no sofrimento de amanhã… No sofrimento de não ter o bom que nos acostumamos a ter. Dizem que o amor se transforma em ódio, pois o ódio é o amor não correspondido. Desejamos tanto e ao mesmo tempo nos frustramos tanto, e assim, sofremos. O bom se transforma em mau.

Portanto, o prazer, o bom, o agradável, sempre traz depois a dor, o sofrimento, o desagradável.

O mesmo ocorre com o ganho. Vamos imaginar uma pessoa que ganhou um carro. Ela adora o carro e o carro lhe dá muito gosto. Um dia ela perde esse carro e não tem mais dinheiro para comprar outro. Ela vai sofrer por não ter mais o carro que possuía. Assim, o sentimento bom que nos era trazido pelo carro, depois se transformou em um sentimento de perda. Isso nos mostra que todo ganho anterior implica sempre numa perda posterior. Tudo aquilo que um dia ganhamos, vamos perder. Aqueles que festejam o ganho, depois vão amargar as dores da perda.

O mesmo ocorre com as expectativas que criamos em relação a tudo. Uma moça gosta de um rapaz e o ajuda. Esse rapaz estava precisando de dinheiro e ela emprestou; estava precisando ser ouvido e desabafar e ela o ouve; estava precisando de companhia e ela lhe fez companhia. Passados alguns meses, ele muda com ela e começa a despreza-la. A moça não estava esperando por isso, pois afinal, em sua visão, ela o ajudou muito quando precisava. Agora que ela precisa, ele a rejeita e faz o contrário do que ela fez. Ele não a ajuda, não a ouve e não lhe faz companhia. A tendência de tudo isso é a moça sofrer muito mais com esse desdém do rapaz. Ela sofre mais intensamente porque criou uma expectativa sobre ele que não foi atendida. O que ela fez por ele… ele não fez por ela. Ela esperava que fizesse… e como ele não fez o que ela aguardava, ela sofre mais e mais. Por isso, o esperar, o aguardar, o ansiar, o desejar, o expectar, é fundamentalmente uma das principais, senão a principal causa do sofrimento humano.

Isso também sempre ocorre. Quanto mais esperamos, mais nos frustramos, nos decepcionamos e sofremos com a expectativa não atendida. Observe mais uma vez que um oposto sempre traz o outro. Eu espero algo… esse algo não acontece. Por não acontecer o que eu espero… eu sofro. Isso se dá sempre… e ocorre com tudo na vida.

Aquele que passa a vida sonhando, cai num profundo pesadelo quando seus sonhos não são realizados. O que é o sonho senão a expectativa do bom? E o que é o pesadelo senão a expectativa do bom não atendida? Observamos que o bom e a expectativa sempre nos geram sofrimento. Pior do que criar expectativas e viver o bom é criar expectativas sobre viver o bom. A maior parte da humanidade está hoje sofrendo pela expectativa não atendida de viver o bom. Como já explicamos, quando vivemos o bom… o bom depois se transforma em mau, em algo ruim. E quando criamos a expectativa de viver o bom, os resultados são ainda piores, pois a expectativa do bom é pior do que perder o bom que estávamos acostumados.

O resultado de tudo isso é a perda de nossa vida. E será que existe coisa pior do que perder a vida esperando algo que pode não acontecer? Quem espera algo diferente do que está acontecendo, deixa de viver o momento. Um homem espera ser rico para poder viver bem. Como ele não se torna rico… ele passa a vida sem viver bem como ele esperava. Mas será que ele não pode simplesmente escolher viver bem sem ser rico? Claro que pode… Ninguém precisa ficar esperando algo para sentir-se bem, pois o bem estar é uma condição interior e não uma condição financeira, afetiva, profissional, familiar, de saúde, etc.

Passar a vida esperando o bom é a pior forma de viver. É o que frequentemente leva a maioria das pessoas a simplesmente desperdiçarem suas vidas. Ficamos esperando algo bom acontecer, e como não acontece, sofremos. Quanto mais sofremos, mais queremos fugir do sofrimento… e esse fuga pode nos fazer fantasiar ainda mais, criamos mais expectativas de um “futuro melhor”. Mas será que existe possibilidade de um futuro melhor? Ou será que a única coisa que pode ser melhor é o momento presente? Sim… não existe “futuro melhor”, só existe presente melhor, só existe viver o agora com paz e felicidade. Podemos começar agora mesmo se quisermos. A mídia cria muito frequentemente condições ilusórias de bem estar.

O termo “qualidade de vida” foi uma invenção para fixar na mente das pessoas a ideia de que o bem estar só é possível quando a pessoa vive dentro de certas condições. Supostamente essas condições externas trariam o que se chama de “qualidade de vida”. A grande verdade é que a chamada “qualidade de vida” é uma ilusão, uma mentira criada para estimular o consumismo. A vida pode ter qualidade a qualquer momento, pois o que nos proporciona a qualidade é a felicidade. E a felicidade consiste em não esperar coisa alguma… e simplesmente viver o agora. Quem espera a namorada linda chegar, não vive até ela chegar. Quem encontra, fica satisfeito por um tempo, mas surge a preocupação em perder aquilo que é tão bom e tão gostoso. E quando se perde, vem o sofrimento da perda. Em qualquer situação onde buscamos o bom ou esperamos o bom, há sofrimento. Não há como fugir disso.

Algumas pessoas podem dizer: “ah, mas é importante sim ter boas condições na vida”. Neste caso, caímos novamente na equação do bom que sempre traz o mau. A pessoa ficará esperando viver com “qualidade de vida” e caso não aconteça, vai sofrer e vai perder o momento presente por ficar esperando. Se ela conseguir o bom, esse bom, quando for perdido, vai se transformar em mau, e assim, vem o sofrimento. Quanto mais vivemos o bom, mais difícil é largar esse bom e mais o mau nos afeta. O bom de um é anulado pelo mau que vem pela perda do bom. E o resultado, claro, é sempre o mesmo: sofrimento.

Mas como começar a viver realmente bem? A melhor forma de viver bem e feliz no presente é destruir todo tipo de expectativas sobre as coisas. É simplesmente parar de esperar algo acontecer. Pare de ficar esperando um casamento. Pare de ficar esperando um processo na justiça. Pare de ficar esperando um aumento de salário. Pare de ficar esperando uma melhor condição financeira. Pare de ficar esperando… pois esperar é sonhar… e quem sonha, está dormindo… e quem dorme, perde sua vida. Essa é a verdade que poucos desejam admitir. Há pessoas que perdem a vida esperando sua alma gêmea que nunca aparece. E mesmo que apareça, você pode perde-la depois e aí vai sofrer. E mesmo que passe a vida inteira com sua alma gêmea, o sofrimento virá no pós-morte quando em algum momento vocês terão que se separar. Não importa que seja durante a vida ou após a morte, o sofrimento da perda sempre virá… e o que era maravilhosa se transforma em tortura pela falta que o bom deixou. em nós. Por isso repetimos: quem vive sonhando, acaba caindo nos piores pesadelos quando nossos sonhos não são realizados.

Pare de esperar… Pare de ficar desejando que algo de bom ocorra. O bom se transforma sempre em mau, o prazer na dor, o ganho na perda. Liberte-se desses opostos agora. Pare de ficar girando na roda da vida, que te leva pra cá e para lá… Esse giro te faz sofrer, te desequilibra e você não vive direito… fica correndo daqui para lá procurando algo que já está aqui, nesse momento, no agora, esperando para ser descoberto. O ser humano está sempre mudando de lugar, pois está sempre buscando algo que não encontra no lugar onde está. Por ficar sempre buscando algo, não vive o momento e não vive no lugar em que se encontra. Está sempre buscando, correndo, com pressa e fugindo, pois está sempre esperando algo que ele sente não estar aqui.

Mas a verdade é que tudo o que ele busca está sim aqui, nesse momento… como fonte inesgotável de bençãos, paz e felicidade eterna. É como um tesouro enterrado embaixo de sua casa. Você sai todos os dias da sua casa esperando por algo que já está muito, muito próximo de você. A única coisa que você precisa fazer é parar de ficar esperando… Nesse momento, decrete a extinção de toda espera. Não espere mais…

 

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

 

pog452

 

DISCURSO DE ÓDIO

Qual a causa da baixa energia do Brasil atual?

Muitos médiuns e sensitivos, inclusive pessoas comuns, estão sentindo muito forte uma grande baixa de energia no Brasil atual. Mas de onde vem toda essa energia negativa?

A razão desse rebaixamento da vibração do país é muito clara… Dentre vários fatores, a causa mais forte e decisiva é, sem sombra de dúvida, o clima de ódio político que foi criado há alguns anos em nosso país, e que a maioria das pessoas está se deixando levar. Elas acreditam que precisam “lutar contra” um político, um partido ou uma situação que consideram injusta no país e fazem isso usando um discurso de ódio.

O que é o discurso de ódio? Como nos explica o professor Emerson Santiago: “É chamado discurso de ódio determinada mensagem que busca promover o ódio e incitação a discriminação, hostilidade e violência contra uma pessoa ou grupo em virtude de raça, religião, nacionalidade, orientação sexual, gênero, condição física ou outra característica. O discurso do ódio é utilizado para insultar, perseguir e justificar a privação dos direitos humanos e, em casos extremos, para dar razão a homicídios”.

Exemplos de discurso de ódio são:

“É ladrão, tem que morrer”, “Tem que apodrecer na cadeia”, “Precisamos descer o cacete nesses mendigos”, “Só matando mesmo esses políticos”, “Precisamos destruir os membros desse partido”. Ou a frase célebre: “Bandido bom é bandido morto”, etc.

Em outros exemplos temos: “O político fulano sofreu um acidente de carro? Pena que não morreu”. “O candidato beltrano morreu… ele vai para o inferno!“. “Não tem mais jeito, só jogando uma bomba na favela e matando todo mundo”“Tem que amarrar esses canalhas em praça pública e o povo linchar eles”. São também discursos de ódio ofensas, agressões, xingamentos e todo tipo de insultos aos homens públicos e não-públicos que defendem ideologias contrárias ao nosso gosto.

Desde as manifestações de junho de 2013, o clima de radicalização e ódio político/ideológico se acirrou no Brasil de tal forma que boa parte das pessoas não conseguem sequer dialogar umas com as outras num debate sem utilizar o discurso de ódio. Ofensas, agressões e até destruição do patrimônio público e privado são comuns hoje em dia. O discurso de ódio não tem lugar para ocorrer. Ele está presente em todos os segmentos sociais, todos os estados brasileiros, todos os clubes, agremiações, todas as ideologias e religiões. Encontramos pessoas que destilam seu ódio político, religioso e ideológico em praticamente todos os lugares. É muito comum também o discurso de ódio gerar divisões que separem as pessoas para que fique mais fácil identificar uns e outros de acordo com o grupo a qual pertencem e assim possam ser repudiadas, criticadas e atacadas. Gerar divisões é um dos principais efeitos das pessoas que expressam seu ódio. E claro, discurso de ódio nada tem a ver com liberdade de expressão.

Infelizmente o discurso de ódio se tornou tão comum que acabou se transformando em algo bastante natural e corriqueiro, parte integrante da internet, das rodas de conversa e até de programas televisivos de nossas tardes. A grande maioria acostumou-se com o ódio na internet e cunho o termo “haters”, que em inglês significa “odiador”, ou “pessoa que odeia”. O discurso de ódio tornou-se tão onipresente que seria muito difícil instituir qualquer mecanismo punitivo a este comportamento.

Vale lembrar que o discurso de ódio está presente não apenas na internet, mas também em programas de TV, principalmente os programas sensacionalistas policiais que visam retratar a violência na sociedade. No Brasil existem programas de televisão que destilam o ódio quase que diariamente para o público. Não raro vemos o apresentador de um desses programas expressando-se da seguinte forma: “Esse canalha que agrediu a menina, um safado e vagabundo como esse, precisa ser castrado e morrer na cadeia”. Programas como esse não apenas expõe casos de violência, como alimentam cada vez mais a própria violência em país.

O clima de ódio foi provocado pela internet ou a internet apenas se tornou o veículo pelo qual as pessoas manifestam aquilo que já tinham latente dentro de si mesmas? Não há mais quase nenhuma dúvida de que a segunda opção seja a mais coerente. A internet se tornou um meio pelo qual as pessoas conseguem expressar suas frustrações, suas tristezas, suas angústias, sua depressão, suas carências e o ódio que guardam dentro de si. É comum ver pessoas que não admitem o sucesso alheio, que não gostam de ver os outros ascendendo, enquanto eles se percebem decaindo. Pessoas bem sucedidas são frequentemente atacadas pelas pessoas inseguras e insatisfeitas consigo mesmas e com a vida que levam. Ao invés de olharem para si mesmas e encararem seus defeitos superando seus limites, elas se zangam com as qualidades, o destaque ou o apreço que o público têm diante de alguém, e assim, destilam seu ódio sobre essa pessoa.

Há alguns anos tenho realizado conversa fraterna gratuita pelas redes sociais. Diariamente chega em meus canais uma média de 50 casos de pessoas que buscam uma palavra, uma oração, um consolo ou uma orientação para seus problemas. Ao longo dos anos fui percebendo algo bastante revelador: pessoas que estavam bastante frustradas em suas vidas, infelizes, sem perspectiva, carentes, deprimidas, agoniadas, ansiosas, vazias, etc, frequentemente descontam sua infelicidade na internet com o discurso de ódio e todo tipo de agressões na política, na religião, insultando, ofendendo, discriminando, cultivando preconceitos, xenofobia e outros tipos de agressões. É muito comum perceber pessoas infelizes que não se conformam com sua condição, tem ódio de si mesmas e de como está sua vida, mas por não desejar reconhecer suas próprias fraquezas, projetam todo mal num partido político, numa religião, numa ideologia, num grupo de pessoas, numa classe social, numa etnia, dentre outros. A linha do tempo dessas pessoas é infestada de imagens, vídeos e todo um discurso eivado de agressões, ataques, ofensas, machismo, preconceito, homofobia e todo tipo de discriminação e intolerância.

Nunca é demais lembrar a máxima que diz: “O ódio é um veneno que você toma esperando que o outro morra”. Na realidade, é o ódio que faz definhar… Como diz também o ditado popular: quando você aponta o dedo para uma pessoa, há três dedos em sua mão apontando para você. Ou como dissemos numa de nossas mensagens: “Quem joga pedras no outro tropeça nessas mesmas pedras no caminho de volta”. O ódio, as ofensas, as calúnias, as agressões, a intolerância, os ataques e todas as atitudes congêneres não fazem mal a ninguém a não ser a própria pessoa que propaga o mal. E claro, não podemos deixar de mencionar que não é a homossexualidade que leva ao inferno, como pregam alguns religiosos fundamentalistas, mas sim o ódio que eles destilam. Mal esses religiosos sabem que o inferno é um estado de consciência em que eles mesmos podem já estar mergulhados.

O que o Espiritualismo orienta sobre tudo isso? O Espiritualismo prega que o discurso de ódio seja combatido com uma resposta essencialmente amorosa. Não se pode confrontar o ódio com ódio, assim como não se combate a violência com mais violência, pois o resultado será mais e mais ódio, brigas, disputas, desavenças, violência, etc. O melhor posicionamento diante do ódio é o amor, a compreensão, a tranquilidade, a tolerância, o respeito e a indiferença frente a fúria, o rancor, as ofensas e agressões. Precisamos aplicar a máxima de Jesus, tal como proferida no sermão da montanha: “Bem aventurados os mansos, pois eles herdarão a Terra. Bem aventurados os pacificadores, pois eles serão chamados filhos de Deus”.

Encerro esse texto com a sequência do sermão do montanha. Apesar de sermos um país com uma maioria cristã no Brasil, a hipocrisia prevalece em todo o território nacional. As pessoas acreditam em Jesus, mas fazem o oposto do que ele ensinou. O ensinamento abaixo é o melhor antídoto contra o veneno do ódio e do discurso de ódio em nossos corações:

“Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.
Eu, porém, vos digo que não resistais ao mau; mas, se qualquer te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;
E, ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa;
E, se qualquer te obrigar a caminhar uma milha, vai com ele duas.
Dá a quem te pedir, e não te desvies daquele que quiser que lhe emprestes.
Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus.” (Mateus 5:38-48)

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Abertura de caminhos

 

pog327

 

ABERTURA DE CAMINHOS

O que é certo e o que é errado em nossa vida?

Uma pessoa segue por um caminho, mas nesse caminho ela encontra uma série de obstáculos, que inevitavelmente a obrigam a seguir por um outro caminho. Será que o certo é seguir por um caminho e o errado é seguir pelo outro caminho?

Essa pessoa julga que está no caminho errado porque ao longo do tempo ela foi construindo mentalmente uma ideia do que seria o caminho “certo”. Quando ela se desvia daquilo que ela construiu como sendo o certo, ela acaba deduzindo que está no caminho “errado”. Mas será que o caminho certo é certo mesmo? E será que o caminho errado, é mesmo errado?

Um homem tenta abrir um comércio e não consegue, seus caminhos estão todos “fechados” e ninguém compra no comércio dele. Ele então começa a passar por dificuldades financeiras. Normalmente ele e outras pessoas diriam que tudo está dando errado em sua vida. Mas e se esse espírito precisa passar pela pobreza para se tornar uma pessoa mais humilde e mais desprendida? Se ele passa por todas as dificuldades e faz brotar a humildade e o desprendimento em sua alma? Será que não era exatamente disso que ele precisava? Ou será que ele precisava ganhar dinheiro com seu comércio, mas continuar sendo arrogante e apegado durante a vida e após a morte?

O ser humano considera que é sempre melhor ganhar seu sustento material, pois crê erroneamente que isso seja mais importante. No fundo as pessoas dão mais importância a matéria, ao ganho, ao conforto material, pois mesmo que neguem, são ainda muito materialistas. Mas o certo não é estar bem estruturado financeiramente na Terra… O certo para o espírito é conseguir viver as experiências que o proporcionem evolução, elevação, desligamento do inferior, ascensão, proximidade com Deus, purificação e libertação da prisão e do sofrimento. Esse é o único objetivo da vida… não há outro.

O que é dar certo então? Não podemos confundir os objetivos mundanos com os objetivos espirituais. O que algumas pessoas chamam de “caminhos abertos” ou “caminhos fechados” simplesmente não existe. Nosso caminho pode parecer fechado do ponto de vista humano, mas quando um caminho fecha, outro caminho maior sempre se abre… Essa é uma lei universal, que existe em todo o universo. Ninguém fica com um caminho “fechado”. Será que Deus seria injusto a ponto de permitir que uns estejam com seus caminhos sempre abertos e outros permaneçam com os caminhos fechados?

Não existe isso… A pessoa que crê estar com seus caminhos “fechados” na realidade está sendo inspirada a seguir por um outro caminho… e esse sim está bem aberto e receptivo a nossa chegada. Esse caminho que se abre quando os caminhos do mundo se fecham é o mais elevado, é aquele que nos conduzirá a felicidade eterna em Deus. Quando os caminhos do mundo se fecham, os caminhos espirituais das oportunidades de crescimento sempre se abrem. Como diz a máxima: “Quando Deus fecha uma porta, ele abre uma janela”.

Algumas pessoas dizem: “Minha vida está indo para trás”. No entanto, isso nada mais é do que uma mudança de rumo… Só consideramos que estamos indo para trás porque estabelecemos como certo que devemos ir numa determinada direção. Mas o que é frente e o que é trás? Aquilo que consideramos um avanço é mesmo um avanço? O que consideramos um recuo é mesmo um recuo? Ou será que o recuo é o caminho certo que devemos seguir? Criamos como meta chegar a um certo ponto no futuro seguindo por uma via… por isso acreditamos que o afastamento desse ponto é “andar para trás”. Mas e se invertermos nossa noção de certo e errado, de sucesso e fracasso, e encararmos o fracasso como sendo o caminho que devemos percorrer para o encontro conosco, o encontro com nossa verdadeira essência e com a felicidade real e pura? Esse andar para trás é, na realidade, um andar para frente… mas esse outro caminho não era visto por nós como “certo”, porque o ser humano baseia seu “certo” naquilo que lhe dá prazer, contentamento e conforto no mundo, ou naquilo que lhe coloque numa posição de destaque dentro da mentalidade coletiva de uma época.

Muitas pessoas ainda caem nesse erro e ficam pedindo a Deus que abram seus caminhos do mundo, para que elas possam aproveitar das paixões mundanas, das posses, dos agrados que o mundo pode nos proporcionar. No entanto, Deus envia seus mensageiros a humanidade e estes tentam explicam que os caminhos fechados no mundo na realidade abrem os caminhos do espírito, e esses sim… são os caminhos que devem permanecer abertos. “Não ajunteis para vós tesouros na Terra, mas ajuntai tesouros no céu”, disse Jesus. Mas quase ninguém houve o mestre… e continuam desejando todos os tesouros na Terra.

Já que mencionamos Jesus, vamos lembrar do que aconteceu com ele. Após a santa ceia, Judas foi ao encontro dos fariseus e entregou Jesus a eles. Depois disso, pessoas comuns da época poderiam acreditar que tudo em sua vida estava dando errado… Ele foi preso, algemado, foi julgado culpado injustamente, foi ironizado por Pilatos, viu o povo escolher Barrabás para ser solto enquanto ele que sempre ajudou as pessoas foi condenado. Recebeu chicotadas, uma coroa de espinhos foi colocada em sua cabeça, os soldados romanos debocharam dele, foi também ofendido, caluniado e obrigado a carregar uma cruz muito pesada. Depois seus pés e mãos foram furados e finalmente ele foi crucificado ao lado de dos criminosos.

Nesse momento, uma pessoa com olhar mais limitado e mundano poderia ter dito que tudo em sua vida estava dando errado e seus caminhos estavam todos “fechados”, além de que uma maldição havia se abatido sobre ele, ou mesmo que ele foi vítima de “macumba” ou “magia negra”, como muitos costumam dizer de suas próprias vidas. Mas em verdade, todas aquelas experiências que ele viveu tinham, obviamente, um propósito muito maior. Após esses episódios, três dias depois ele ressuscitou dos mortos, ficou 40 dias pregando e ascendeu aos céus… Todo esse sofrimento que ele viveu foi essencial para que o Cristianismo fosse criado e se tornasse a maior religião de todos os tempos, inspirando bilhões de pessoas 2000 anos depois na prática do bem e do amor ao próximo. Nesse sentido, todo o martírio que Jesus viveu foi errado ou foi exatamente o que precisava acontecer para que um bem infinitamente maior depois fosse gerado? O que ocorreu com Jesus acontece também na vida de cada um de nós. Todos somos “crucificados” pelo mundo, para depois ressuscitar e ascender no espiritual.

Uma pessoa atravessa uma crise financeira. Isso é encarado como sendo horrível, péssimo, a pior coisa que poderia ocorrer. Mas para nossa alma ocorre o contrário… essa passa a ser a melhor coisa que poderia ocorrer, pois crise é o mesmo que oportunidade, perda material é o mesmo que ganho espiritual. Assim sendo, as provas do mundo que fecham nossos caminhos na Terra nada mais são do que um desvio para o caminho espiritual verdadeiro, esse sim está aberto, esse sim é o caminho “certo”… e não o que imaginávamos ser o certo.

Na realidade, caminhos fechados não existem… Quando uma pessoa diz que seus “caminhos estão fechados”, isso significa que ela está olhando para o material quando deveria estar olhando para o espiritual e seguindo esse caminho… esse sim está bem aberto para ela em épocas de crise, de vacas magras, de perdas, de desespero e desilusões. O que existe é a mudança de foco do valor dado ao material e do valor que deve ser dado ao espiritual.

Uma doença pode ser uma benção na vida de uma pessoa se a ajuda a ser mais humilde, a melhorar seus hábitos e a se tornar uma pessoa melhor, mais compassiva e menos presa às suas crenças, passando a ver o mundo de outra perspectiva. Se seus caminhos estão fechados para a saúde do corpo, eles estão plenamente abertos para o autoconhecimento, para a viagem ao seu interior e para o encontro com o essencial da vida. É certo que os caminhos humanos precisam se fechar… para que a pessoa possa vislumbrar outros caminhos, bem maiores e mais importantes, que são a verdadeira meta do espírito.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

 

OS ESPÍRITOS NOS PEDEM ALGO IMPORTANTE…

Os espíritos sempre pedem aos seus entes queridos que sigam em frente, que não fiquem apenas chorando pela sua morte… mas que refaçam suas vidas e não fiquem presos ao que passou.

O sofrimento interminável pode atrapalhar o espírito em sua existência no plano espiritual. Pode também, claro, atrapalhar muito a vida daquele que ficou na matéria e chora por aquele que desencarnou.

Por isso… eles são bastante enfáticos nesse pedido. Deixam bem claro que as pessoas devem continuar suas vidas, devem continuar seu trabalho, continuar e seguir em frente, sem olhar para trás. Claro… é normal sofrer após a morte… Mas ficar com a vida parada porque alguém partiu ao plano espiritual não é natural, não é saudável. Isso prejudica não apenas quem se foi, como principalmente quem ficou.

Por isso, devemos evitar o apego as pessoas… e entender que elas ficarão conosco apenas por um tempo… e depois devem partir para outras tarefas. Não devemos nos acostumar a ter os outros para sempre, porque um dia todos sempre vão embora… ou são afastados para outros lugares ou planos.

É preciso seguir a vida e ser livre, totalmente livre de qualquer apego as pessoas.

(Hugo Lapa)

Read Full Post »

Desilusões do mundo

 

pog332

 

DESILUSÕES DO MUNDO

Os espíritos de nos ensinam algo importante…

Somente quando nos desiludimos do lado humano da existência, da vida nesse mundo… é que podemos ser felizes dentro de nossa vida espiritual.

O que acaba acontecendo é que o ser humano se desilude do mundo, das pessoas, mas ao invés de buscar sua felicidade e paz além desse mundo, continua insistindo em ser feliz aqui, na Terra, mesmo depois de todas as desilusões, tragédias e decepções que ocorreram aqui.

A pessoa entra em depressão, não tem mais esperança de que nada de bom possa lhe ocorrer, já entendeu que esse mundo é só sofrimento e decepção. Mas mesmo estando no fundo do poço, ela não cogita ir além do mundo e passar a viver mais a felicidade e glória em Deus. Ao contrário, ela fica insistindo e pedindo que o mundo lhe seja favorável, que ela consiga realizar seus sonhos aqui, que tudo comece a “dar certo”, que ela encontre sua alma gêmea, que ela ganhe dinheiro, etc etc.

Nesse momento, a inteligência da vida a está forçando a soltar os apegos do mundo, a deixar de lado suas crenças, seus códigos, seu mundinho pequeno, sua vidinha chata e sem sentido… e começar a transcender os limites da matéria para algo mais elevado. Como diz a máxima: “Quando perdemos o telhado, ganhamos a visão das estrelas”. Mas o ser humano continua insistindo em consertar seu telhado, mesmo após tantas tempestades que destruíram o telhado e já provaram e comprovaram que é impossível manter o telhado de ouro dos nossos sonhos e desejos, pois esse telhado é ilusório.

A inteligência divina destrói o telhado de nossa consciência limitada para que possamos abrir nossa visão para as estrelas que só aparecem em nosso quarto quando nosso telhado é destruído. Ao invés de ter o céu como sua realidade, as pessoas continuam insistindo em manter seus limites intactos, manter suas crenças pequenas, em ficar se preocupando com seus problemas fúteis, em ficar valorizando as banalidades da vida, que são vazias e não nos fazem felizes.

Os espíritos dizem que devemos parar de se preocupar com o nosso telhado e passar a permitir que a visão das estrelas seja uma realidade. Há pessoas tão desiludidas de tudo, com suas vidas tão destruídas, que já tem toda a possibilidade de se elevarem além desse mundo… e realizarem um encontro com a essência da vida. Mas ao invés de conquistar sua libertação de todo sofrimento, elas ficam insistindo obsessivamente na ilusão de que tudo pode melhorar, que o mundo pode ser um lugar bom, que elas podem se realizar aqui.

Essas explicações podem chocar algumas pessoas. Alguns vão dizer que “Não é bem assim”, ou “que o mundo pode ser sim um lugar bom de se viver”. Essas pessoas, que ainda não tiveram todas as suas ilusões destruídas, deverão ainda passar por certas provações que não mais deixarão espaço para dúvida sobre as ilusões desse mundo e as inevitáveis decepções e os irremediáveis sofrimentos que estão por vir. Não poderia ser de outra forma, pois este mundo é um local de passagem… e todos os espíritos que aqui se encontram tem como missão ascender desse ponto de evolução e um nível mais elevado.

Se o mundo continuasse sendo “bom” e “agradável” aos espíritos, estes jamais sentiriam a necessidade de ascender e ir ao encontro de Deus, do cosmos, do infinito, da eternidade, etc. A maioria fica pedindo a Deus para melhorar suas condições do mundo para algo que lhe seja agradável… quando Deus está justamente nos mostrando a necessidade de libertação da prisão do mundo. Como disse Chico Xavier: “A desilusão é a visita da verdade”. A desilusão nada mais é do que a quebra da ilusão. Antes estávamos iludidos e com a desilusão, deixamos de estar iludidos. É nesse momento em que iniciamos nossa busca pela verdade. Infelizmente há aqueles que ficam chorando e sofrendo pela quebra da ilusão, ao invés de buscar a verdade que está além de toda ilusão. 

Como disse Jesus: “Eu não sou desse mundo e meu reino não é desse mundo”. A reino da felicidade e paz eterna não é aqui. Não é dentro dos parâmetros limitados que nossa mente impregnada de crenças, julgamentos e limites criou. É preciso aproveitar os momentos de depressão e desilusão do mundo para transcender tudo isso… e se libertar da prisão que nos encontramos, soltando todos os grilhões do sofrimento.

Esse é o único caminho… Nosso verdadeiro destino. Não há mais porque ficar negando isso…

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

 

Read Full Post »

Older Posts »