Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Parábolas’ Category

Distrações do caminho espiritual

 

DISTRAÇÕES DO CAMINHO ESPIRITUAL

Um mestre espiritual estava explicando a um grupo de discípulos sobre a vida. Os discípulos estavam ansiosos por compreender qual a missão do ser humano na Terra. O mestre então disse a todos:

– Imaginem que a vida é como um menino que saiu para comprar pão. Seus pais lhe disseram para ir até a padaria, que era longe de sua casa e que não demorasse para voltar, pois não havia mais comida em casa e todos estavam com fome.

O menino então sai de casa e começa a andar pela estrada. Poucos minutos depois, ele vê uma flor muito bela e resolve sair da estrada para apreciar as flores. Ele fica alguns minutos observando a beleza das flores. Quando ele resolve colher uma rosa vermelha, e um espinho espeta seu dedo. Ele sente dor, começa a sair sangue e ele se recorda de que precisa ir comprar o pão na padaria. Ele resolve então que deve retornar à estrada e continuar seu caminho.

Alguns minutos depois, ele vê alguns de seus colegas jogando futebol num campinho. Os colegam o veem e dizem: “Ei, venha jogar conosco!” O menino diz que não pode ficar para jogar, pois precisa comprar pão, pois a comida acabou em sua casa. Os amigos então lhe dizem que é só um pouco e que depois ele vai. O menino então pensa: “Tudo bem, jogar um pouquinho não fará diferença”. Ele começa a jogar… o tempo passa e de repente numa jogada mais forte, ele cai no chão e se machuca. Seus colegas dizem para ele parar de frescura. Ele então levanta e se recorda que precisa ir comprar pão.

O menino nem havia percebido que ficara mais de 1 hora jogando. Voltou para a estrada e continuou caminhando. Olhou para o lado e viu três meninas conversando, rindo e brincando. As meninas o chamaram e ele, encantado com elas, resolveu ir. O rapaz ficou horas conversando com as meninas e acabou se esquecendo completamente da estrada e do pão. Ele então tentou beijar uma das meninas, mas esta o rejeitou. Ele foi embora e ficou chorando à beira da estrada… Estava tão triste que nem lembrava mais do pão e do pedido de seus pais. “Que importa tudo isso? Nada mais faz sentido”. Olhou para seu relógio e percebeu que a padaria iria fechar em breve. Reuniu todas as suas forças e resolveu continuar caminhando, pois estava começando a escurecer e, sem luz, tudo ficaria mais difícil.

Ainda com os olhos marejados de lágrimas, estava se sentindo bem cansado. Havia sido furado pela rosa, jogado futebol, se machucado e foi rejeitado por uma garota. Pensou em sentar-se no tronco de uma árvore e descansar um pouco. Mas rapidamente desistiu da ideia e pensou que era melhor descansar em sua casa, onde teria todo conforto, tranquilidade e poderia comer o pão. Mas logo lhe veio um pensamento: “Ah, mas descansar uns 10 minutinhos não vai fazer mal”. Saiu mais uma vez da estrada e sentou-se numa árvore. Já estava quase escurecendo totalmente… O rapaz sentou e logo depois, adormeceu sem querer. Dormiu por horas, padaria fechou… seus pais foram atrás dele e lhe deram uma baita surra. Todos ficaram passando fome até o dia seguinte.

O mestre terminou a estória e explicou seu significado a todos:

 – O menino que segue pela estrada somos todos nós, seres espirituais que vêm à Terra para realizar um objetivo espiritual, tal como foi pedido pelo nosso pai, que é Deus. Ao caminhar pela imensa estrada da existência, inúmeras distrações podem nos desviar do nosso caminho. Tal como o menino esqueceu-se diversas vezes de sua missão na padaria, a maioria de nós vem a Terra e esquece do nosso verdadeiro objetivo, se dispersa com as tentações do caminho e acaba se perdendo nas ilusões da matéria. Podemos ser seduzidos pelas belas flores (as belezas ilusórias fora do caminho que sempre têm seus espinhos), pelos jogos (que são os divertimentos, os prazeres e os apegos do mundo) pelas belas jovens fora do caminho (que representam a sexualidade, as paixões e seus encantos) ou podemos subjugar-nos ao cansaço das provações, resolver parar tudo e ficarmos estagnados, deprimidos, vazios, abandonando a estrada. Além destas distrações, há muitas outras que podem nos desviar do nosso foco, do nosso real objetivo, daquilo que de fato importa, que é continuar seguindo pela estrada da existência para atingir nossa meta e chegar ao final do caminho. O final do caminho é a libertação dos apetites mundanos quando comemos o “pão da vida” (como disse Jesus), que nos conduzirá à vida eterna e a paz profunda dos bem-aventurados.

–  Portanto, jamais permitam que as distrações do caminho os capturem e os desviem daquilo que é essencial. Siga firme e sem extravios pela estrada da existência espiritual, pois o desfecho dessa sagrada vereda é a paz, a felicidade e a imortalidade com Deus.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

O ser desperta

 

pog999

 

O SER DESPERTA

Um homem chegou para um mestre espiritual muito sábio e disse:

– Mestre, meu irmão está muito doente. Seu corpo está se enfraquecendo aos poucos. Ele já perdeu tudo por não estar trabalhando. Já está perdendo sua consciência e tudo em sua vida está decaindo. Por que ele vive esse mal e esse sofrimento?

– Mal? perguntou o mestre – Que mal é esse que ele está vivendo? Tudo na vida segue uma marcha pura e perfeita…

– Como assim mestre? perguntou o homem.

– Preste atenção… nisso que vou lhe dizer.

– Quando o corpo vai aos poucos enfraquecendo… o espírito vai aos poucos se fortalecendo.

Enquanto a consciência objetiva do ser humano vai se dissipando… a consciência espiritual vai aos poucos despertando.

Enquanto a pessoa vai perdendo várias coisas… o espírito vai começando a ganhar várias coisas.

Enquanto tudo vai decaindo exteriormente… o espírito vai se reerguendo interiormente.

Enquanto o corpo material vai aos poucos perecendo e morrendo… o espírito vai aos poucos renascendo das cinzas do corpo material, que gradualmente ele vai se libertando.

Vemos uma pessoa sendo consumida pela doença e pensamos que seu tempo está chegando ao fim. Mas quando o tempo da pessoa vai aos poucos se esvaindo, o tempo do espírito vai aos poucos chegando.

Uma pessoa que se encontra em seu leito de morte pode não desconfiar… mas ela está sendo gestada, no útero vivo da inteligência universal, para nascer como espírito do outro lado da existência universal.

Qual pode ser, então, o motivo do sofrimento? O que se diminui na Terra, vai aumentando no céu. Não foi Jesus que disse isso? Os humildes serão exaltados e quem se exalta, será humilhado. O menor no reino da Terra será o maior no reino dos céus. Contemplamos o mar e a linha do horizonte e nossos olhos físicos nos fazem acreditar que nada há além… Mas aquele que pega um barco e ultrapassa a linha do horizonte, pode chegar em novas terras, numa nova forma de vida… Por isso, quando os apegos do mundo vão terminando para nós, o espírito vai florescendo em todo seu esplendor.

Aquele que vai se perdendo no mundo, vai se encontrando no plano da alma. É assim que o ser desperta…

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Não lute contra a vida

 

avenue-2215317

 

NÃO LUTE CONTRA A VIDA

Um homem estava caminhando por uma floresta. De repente começou a sentir seus pés afundando na terra. Olhou para baixo e viu que estava em cima de vasta camada de areia movediça.

Nesse momento lhe bateu um imensurável desespero. O homem começou a se debater, a gritar e a tentar de todas as formas sair da areia movediça. Mas com o tempo ele percebeu que quanto mais brigava contra, gritava, se debatia, mais afundava na areia.

Isso aumentou ainda mais seu desespero e começou a se debater, a brigar e a tentar sair dali. Mas tudo ficou na mesma… quanto mais lutava contra aquela situação, mais e mais ele afundava.

O homem já estava com a maior parte de seu corpo submerso na areia movediça. Nesse momento ele pensou: “Bom, vou morrer de qualquer jeito e não há nada que eu possa fazer para sair daqui. Então, é melhor simplesmente parar de lutar e ficar tranquilo. Pelo menos eu morro em paz”. Nesse momento, a areia movediça parou de traga-lo e ele se manteve no mesmo local, parado. “Não estou mais afundando”, pensou. O homem compreendeu que por ter interrompido sua luta contra aquela situação, parou de imergir na areia movediça. Isso ampliou sua sensação de paz e serenidade.

Mais tranquilo, ele conseguiu olhar em volta e percebeu um galho de árvore que submergia para baixo da areia e pensou: “Se eu procurar este galho no fundo da areia, posso encontra-lo, me apoiar nele e sair daqui”. O homem calmamente mexeu seu braço dentro da areia e lá estava o galho. Segurou-se nele e começou a puxar. Demorou mais de uma hora, mas mantendo a serenidade e sem mais lutar contra a areia, ele finalmente conseguiu se salvar.

O que ocorreu com esse homem na areia movediça é muito semelhante ao que ocorre com todas as pessoas na vida. De vez em quando nos deparamos com experiências tão difíceis, complexas e sofridas, que nossa primeira reação é de sempre lutar contra, se debater, espernear, negar, tentar de todas as formas destruir aquilo que nos oprime e nos faz mal. No entanto, quanto mais brigamos e lutamos contra, mais a situação cresce e nos devora. Mas no momento em que desistimos de lutar, nos tranquilizamos e começamos a cultivar a paz em meio a turbulência, tudo se pacifica e conseguimos nossa salvação ou libertação.

Alguns sábios orientais dizem que nossa vida começa quando paramos de lutar contra as coisas, as pessoas e a vida. A maturidade espiritual vem no momento em que abdicamos da luta e das confrontações a tudo. Nossa vida se harmoniza, se equilibra, tudo começa a fazer sentido, tudo se acalma e, tal como o homem na areia movediça, nos libertamos.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Sementes do mal

 

countryside-2326787

 

AS SEMENTES DO MAL

Conta uma lenda antiga que um demônio queria semear a discórdia e o mal em todo o mundo. Ele recolhia e jogava no quintal de cada pessoa as sementes da desunião, do ódio, do desânimo, do orgulho, do egoísmo, etc.

O demônio foi a casa de Fátima e jogou duas sementes de ódio em seu quintal. Essas sementes cresceram rapidamente e se tornaram árvores que deram muitos frutos malignos, com doenças, depressão e infelicidade para Fátima. O demônio fez o mesmo com Carmem, com Lúcia, com Pedro, com Antônio, com Tiago e outros. Jogou apenas duas sementes de egoísmo, orgulho, vaidade, ódio, luxúria, etc, no quintal deles. As sementes cresceram, foram regadas e adubadas pelos donos do quintal e, assim, se tornaram árvores daninhas imensas que destruíram seus lares e suas vidas.

O demônio foi então ao quintal de Sebastião, um homem humilde, puro, sábio e feliz. O demônio jogou duas sementes de tudo o que é ruim em sua terra. O tempo passou e as sementes não nasceram, mas começaram a apodrecer e acabaram morrendo. O demônio não desistiu e jogou 20 sementes dos piores defeitos e emoções negativas humanas. Mas o tempo passou e mais uma vez as sementes não nasceram, vindo a apodrecer e a morrer em seguida.

O demônio ficou irado com isso. Resolveu então jogar mais de duas mil sementes no quintal de Sebastião. Foi um momento difícil na vida do homem, onde ele teve perdas, doenças e muitas dificuldades. Algumas sementes de ódio, desânimo e revolta começaram a nascer. Mas como Sebastião não regou e nem alimentou as sementes, mais uma vez elas foram apodrecendo e morreram logo depois. O demônio então desistiu de Sebastião e foi embora para sempre.

Não importa quanto mal chegue até nós. Não importa quantas provações venhamos a sofrer em nossas vidas. As sementes das negatividades só poderão brotar e crescer em nosso “quintal interior” se dermos adubo a elas, se as regamos, se as alimentamos de alguma forma. As sementes do mal crescem apenas nos terrenos que são férteis para o mal. Na terra daqueles que se recusam a alimentar as influências nefastas, nada de negativo pode crescer e multiplicar.

O demônio pode jogar quantas sementes ruins ele quiser em nosso quintal, se nosso terreno interior não for fértil as influências negativas, nada de ruim pode nascer dentro de nós.

Você está a alimentando as sementes da negatividade fazendo com que elas cresçam e se multipliquem em você?

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

 

pog695

 

APRENDENDO A DEVOLVER O EMPRÉSTIMO 

Rodolfo pegou um carro emprestado com seu amigo. Era um carro bem luxuoso, com tecnologia avançada e muito confortável. Ficou um mês com o carro e estava adorando. O tempo foi passando e Rodolfo já não conseguia mais imaginar sua vida sem o carro, de tão bom e útil que era.

O tempo foi passando e Rodolfo estava cada vez mais acostumado com o carro. No entanto, após 1 ano de empréstimo do carro, o dono resolveu pedi-lo de volta. Rodolfo ficou arrasado com esse pedido, pois estava muito afeiçoado ao carro, além de ser muito proveitoso em sua vida. Rodolfo perguntou ao dono se não poderia prolongar o empréstimo. O dono disse que não… que realmente precisava do carro e enfatizou que precisava que Rodolfo o devolvesse.

Rodolfo ficou arrasado. Pensou até mesmo em fugir com o carro. Antes que pudesse tomar qualquer atitude, o dono bateu na porta de sua casa e pediu o carro de volta. Rodolfo implorou dizendo que queria ficar com ele mais tempo. O dono foi bastante agressivo dizendo que ele ja havia ficado com o carro por muito tempo. Rodolfo, muito atormentado, pegou uma faca e disse para o homem sair dali. O homem ficou com muita raiva e partiu pra cima de Rodolfo. Sem querer, Rodolfo enviou a faca nele… vindo este a falecer logo depois. A polícia chegou e Rodolfo foi preso.

Essa estória pode parecer exagerada e até sem sentido, mas os seres humanos têm um comportamento semelhante ao de Rodolfo com as coisas e pessoas do mundo. Todos devem compreender que tudo nesse mundo é apenas um empréstimo e que este empréstimo vale apenas por um tempo maior ou menor. Mas a maioria das pessoas não deseja devolver o empréstimo ao verdadeiro dono, que é Deus. Por isso, assim como Rodolfo, acabamos perdendo o bom senso, nos acostumando e apegando tanto que a consequência acaba sendo nossa prisão e a destruição de nós mesmos.

Nada é nosso no mundo. Tudo é um empréstimo de Deus. Todas as coisas e pessoas permanecerão conosco apenas por um tempo. Depois o verdadeiro dono, que é Deus, nos pede tudo de volta… mas quase nunca estamos preparados para devolver tudo o que utilizamos no mundo. Somos tão apegados e dependentes dos empréstimos que morremos antes de abrir mão deles. O resultado é algo semelhante a estória de Rodolfo. Ficamos agressivos, somos presos e acabamos nos destruindo.

Temos apenas o direito de uso, mas não o direito de posse. A posse simplesmente não existe em todo o universo. Por isso, todos deveriam responder a seguinte pergunta: Você tem consciência que nada te pertence e que um dia terá que devolver todas as coisas e pessoas do mundo?

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Nosso sustento emocional

 

pog745

 

NOSSO SUSTENTO EMOCIONAL

Uma mulher estava arrasada com o fim do seu casamento. Após 25 anos de matrimônio, ela não conseguia mais seguir sua vida sem seu marido. Ao longo destes 25 anos, seu marido foi seu apoio, seu sustento emocional e agora que tudo acabou, ela simplesmente não conseguia mais viver sem ele.

Após tomar antidepressivos e remédios para adormecer, finalmente pegou no sono. Começou a sonhar que estava no meio de um imenso oceano, totalmente sozinha. Começou a afundar no mar… e um intenso desespero tomou conta dela. De repente, a moça avistou uma boia bem próxima a ela. Não pensou duas vezes e nadou na direção da boia, tentando se apoiar nela para não afundar. Assim que alcançou a boia, agarrou-se a ela e ficou boiando no mar.

No entanto, após um tempo, a boia começou a afundar. “Não é possível”, pensou a mulher. Avistou do outro lado, mais uma boia. Apressou-se a nadar na direção da boia e conseguiu apoiar-se nela. Após alguns minutos, a boia também começou a afundar e a mulher foi submergindo junto. Nesse momento, ela visualizou várias boias, mas sempre que tentava um apoio, as boias começavam a afundar e ela submergia junto.

Desanimada e já sem esperança, a mulher estava quase desistindo de viver e deixando que o mar a tragasse. Assim que começou a afundar, uma luz apareceu no céu e a moça ouviu a seguinte frase: “Não confie no apoio das boias. Confie, isso sim, nos seus braços e pernas e na sua capacidade de nadar por si mesma”. A moça ouviu essa frase e percebeu que nela havia muita sabedoria. Conseguiu então reunir suas forças e fez o que a luz orientou: decidiu não mais esperar o suporte das boias, mas confiar em seus braços e pernas e em sua capacidade de nado.

Nadou por algum tempo e percebeu que havia uma ilha muito bela e cheia de natureza, frutas, cachoeiras e animais bem próximo. Ela nadou até a ilha e assim que chegou em terra firme, acordou do sonho…

As boias do sonho da moça representam todos os apoios ou suportes emocionais em que buscamos nossa estabilidade, nossa segurança emocional e mental. No entanto, assim como as boias do sonho sempre afundavam, os suportes emocionais que criamos em nossa vida sempre “afundam”, ou seja, acabam em algum momento. Quando nossos suportes terminam, nós “afundamos” junto com eles e acabamos definhando e perdendo a nós mesmos.

É muito importante que todos consigam seguir a máxima de sabedoria, proferida pelo espírito de luz. Devemos confiar mais em nossa capacidade de seguir em frente do que em sustentáculos ou alicerces externos a nós. Nossa confiança deve estar pautada em nós mesmos, em nossa força de seguir em frente, e não em suportes externos que sempre nos decepcionam. Como disse Buda: “Faça de ti teu próprio suporte, teu próprio refúgio. Não confieis em nenhum suporte externo a vós”.

 

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Marinheiro e o caminho errado

 

pog714

 

MARINHEIRO E O CAMINHO ERRADO

Um marinheiro estava navegando com seu barco a procura de uma ilha que diziam guardar tesouros magníficos.

Ele conduzia seu barco na direção leste, pois era a direção em que a ilha se encontrava. O marinheiro havia vendido todos os seus bens para poder juntar dinheiro e realizar esta viagem, que seria a grande viagem de sua vida.

De repente, uma terrível tempestade começou a se aproximar, com ventos fortíssimos. Os ventos sopraram com tanto furor que levaram o barco na direção oposta, a oeste. O barco foi navegando na direção contrária por por 1 hora, 2 horas, 6 horas até 24 horas fora da rota, até que finalmente o barco se perdeu completamente, ficando à deriva e sujeito à força da natureza.

O marinheiro ficou extremamente bravo e decepcionado com tudo. “Como é possível eu ter vendido todos os meus bens para chegar à ilha e tudo dar errado? Por que Deus envia essa tempestade que me faz ir justamente na direção contrária?” Muitíssimo irritado por tudo ter dado errado e ter se desviado do seu caminho, o marinheiro pegou uma garrafa e começou a beber, apenas aguardando a chegada da morte inevitável.

Exausto… adormeceu por 14 horas. Acordou e abriu os olhos. Observou que seu navio estava passando em frente a uma ilha muito bela. O marinheiro releu as descrições e constatou, muito surpreso, que era a mesma ilha maravilhosa que ele estava procurando. Mas como era possível ter chegado, se o barco foi arrastado na direção oposta? Pegou então sua bússola e constatou que ela estava quebrada, provavelmente sem funcionar a vários dias.

Muitas vezes a sabedoria da vida nos conduz por um caminho que julgamos errado em nossas vidas, como se estivéssemos sendo arrastados para um desvio do caminho que acreditávamos ser o “certo”. Parece que nossos caminhos estão fechados e que estamos seguindo pela rota oposta daquela que seria a “certa”. No entanto, o caminho que julgamos correto nem sempre é o verdadeiro e o que cremos serem “desvios” no caminho não são verdadeiros desvios, mas são exatamente a trajetória que precisa ser seguida.

Somente assim alcançaremos o verdadeiro objetivo do nosso espírito, ao invés dos caminhos limitados humanos.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Older Posts »