Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Poemas’ Category

Felicidade não é deste mundo

 

A FELICIDADE NÃO É DESTE MUNDO

Você não deve pensar em casar para ser feliz…

Você deve ser feliz primeiro com a pessoa, para depois decidir casar com ela.

As pessoas invertem a ordem natural das coisas. Depois não entendem porque as suas vidas não dão certo e porque não conseguem ser felizes.

Há algum sentido em casar para ser feliz? Como pode o casamento lhe dar algo que você não conseguiu sozinho?

A ordem correta da nossa vida deveria ser:

Primeiro ser feliz mesmo estando sozinho. Quando somos felizes sem precisar de ninguém, somos felizes de verdade.

Depois de ser feliz sozinho, pode chegar alguém que vai compartilhar dessa felicidade conosco. Não acredite jamais que essa pessoa vai te fazer feliz. Ela vai apenas viver essa felicidade junto com você. Ambos vão emanar felicidade um ao outro. Nenhum deles vai trazer ao outro o que o outro já não tenha dentro de si. Ninguém pode dar o que não tem por si mesmo.

Meus amigos, entendam de uma vez por todas a máxima de que ninguém faz ninguém feliz. Ou somos felizes por nós mesmos, de forma natural, dentro da espontaneidade de nossa alma, ou jamais seremos felizes com alguém.

Depois que alguém encontra uma pessoa que é feliz junto com ela, e não que traz uma felicidade antes inexistente, aí sim, nesse momento, você pode pensar em se casar.

A felicidade ninguém te traz; a felicidade se compartilha. A felicidade consiste em cada um ser feliz ao seu modo, respeitando um a maneira do outro ser feliz. Quando ambos são felizes, a alegria de um acrescenta na do outro. Mas quando um traz ilusoriamente a felicidade ao outro, nenhum dos dois é feliz e o casamento tende a dar errado. Nesse momento começam as cobranças, as brigas, o ciúme, a posse, o controle, os jogos psicológicos, etc.

Mas quando há esse encontro de duas felicidades já estabelecidas, podemos admitir a ideia de passar nossa vida com esse companheiro ou companheira que é feliz conosco, e não que nos traz a felicidade.

Depois que duas pessoas são felizes compartilhando juntas os bons e maus momentos na vida, uma ajudando a outra; uma sendo o instrumento da evolução da outra… Não se deve acreditar que essa felicidade será para sempre, pois isso não é possível.

A felicidade do mundo material é sempre passageira, pois é condicional. Depende de certas causas e condições para ser realizada. Mas a felicidade espiritual, essa é incondicional, não depende de acontecimentos no mundo para ser plena. A felicidade espiritual se realiza por si mesma… ela não precisa disso ou daquilo para existir.

A felicidade espiritual não prescinde de marido ou esposa; não requer bens e riquezas materiais; não necessita de uma união familiar estável; não existe condicionada à saúde ou à ilusória qualidade de vida no mundo.

A felicidade espiritual independe do mundo, dos seus sonhos, de suas fantasias, de suas falsas esperanças e seus prazeres efêmeros. A felicidade espiritual se plenifica em si mesma: é independente; é eternamente presente; é pacífica; traz uma riqueza interior infinita que o ser humano jamais sonhou nem sequer pode imaginar.

Jesus disse: “Meu reino não é deste mundo”. O mesmo se pode dizer da felicidade. Esta também não é deste mundo. Ninguém será verdadeiramente feliz aqui na Terra. Você pode até acreditar que é feliz… Mas pense bem: se você perder tudo o que você possui, você ainda assim seria feliz? Se você perder seus amigos, sua família, seus filhos, sua profissão, seus bens, seu patrimônio, sua casa, suas terras, sua saúde, você ainda assim seria feliz?

Se a resposta é não, você tem uma felicidade condicionada pelas coisas desse mundo. Mas se sua resposta for sim… você já possui a felicidade real, a paz real, a liberdade real, a espiritualidade não condicionada, espontânea e, essa sim, pautada na realidade.

Felicidade é o bem mais precioso que podemos ter… Assim como a paz e a liberdade. São dons divinos que existem quando estabelecemos um contato com nossa alma e com a fonte de toda a vida, permitindo que a existência universal flua livremente em nós. Não há nada melhor do que sentir internamente a paz espiritual e a felicidade da alma.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas à distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Visão espiritual da vida

 

VISÃO ESPIRITUAL DA VIDA
Quando vemos alguém em sofrimento, nossa primeira reação é sempre de dar conselhos que reforcem o lado mundano da vida.
Seu pai está doente? Calma, ele vai se curar.
Sua mãe está quase morrendo: fica tranquilo, vai dar tudo certo.
Quando alguém está triste, nossa primeira reação é: não fica assim não.
Quando alguém está chorando, dizemos: não chora…
Quando tudo está mal, dizemos: não se preocupe, vai dar tudo certo.
Há de se perguntar uma coisa:
Vai dar tudo certo mesmo? O que é dar certo para essa pessoa? Será que a vida dá certo da forma como nós julgamos o certo?
Não chora? Mas não devemos chorar por quê? O choro é algo natural… Ajuda a aliviar as emoções. É bom chorar e colocar toda a carga para fora…
“Não fica triste não”. Por que alguém não deve ficar triste? Qual o problema em vivenciar a tristeza? É melhor fingir que se está alegre ou forçar uma falsa felicidade?
Nada disso faz sentido… Nossa sociedade prefere fugir da dor, da perda, do errado, da doença.
Mas o melhor caminho é modificar o nosso olhar, ver tudo com outra visão, enxergar tudo sob outra perspectiva.
A visão espiritual da vida é mais real, mais verdadeira, não é uma fuga e é muito mais consoladora.
É melhor dizer:
Uma doença? Não se preocupe… Ela vem para te curar.
Alguém vai morrer? Ninguém morre… Quando alguém morre na matéria, ela renasce no plano espiritual.
Você perdeu algo? A perda no mundo abre espaço para o ganho espiritual.
Tudo está dando errado? Não… Tudo já está dando certo, mas às vezes é preciso dar errado para aprendermos a ver o certo…
É preciso chegar o mal para o transformarmos em bem.
É necessário que venha a crise para surgir a oportunidade e a abertura de um novo caminho.
Devemos atravessar a escuridão da madrugada para que o áureo alvorecer floresça no dia seguinte.
Uma porta deve ser fechada para que outras possam ser abertas.
A vida humana deve chegar ao fim… Para que a vida espiritual possa começar.
Não veja mais as coisas do ponto de vista do mundo humano e do ego.
Passe a enxergar tudo dentro de uma visão espiritual da vida.
Essa visão, certamente, não vai te decepcionar…

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas a distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Frutos do Bem

 

OS FRUTOS DO BEM

Quando vivemos nossa vida de forma plena e feliz… não ficamos nos preocupando em como o outro escolheu viver a vida dele.

Aquele que é feliz consigo mesmo, não fica se metendo na vida do outro, não fica querendo interferir em como o outro vai viver.

Aquele que se aceita como é… tenderá também a aceitar o outro da forma que ele é ou que ele quer ser.

Mas aquele que não gosta de si mesmo, que rejeita a si mesmo, que tem aversão a certos aspectos de seu comportamento, vai desgostar do outro, vai rejeitar o outro, terá aversão do comportamento do outro.

Quem está satisfeito consigo mesmo… não tentará moldar o outro naquilo que ele acredita ser o correto.

Quem não está satisfeito consigo mesmo, vai sempre tentar modificar o outro; alterar o comportamento do outro, ditar regras ao outro, colocar-se acima do outro, achar que o outro tem algo errado.

Aquele que vive bem, quer ver o outro bem. Aquele que vive em paz, quer que o outro viva em paz; aquele que vive feliz, aspira a felicidade de todos.

Desejamos para todos aquilo que existe de mais sublime dentro de nós.

Quem tem uma escuridão dentro de si, anseia que o outro experimente essa mesma escuridão.

Quem tem Deus dentro de si, quer que todos vivam plenamente com Deus dentro de todos.

A felicidade possui o impulso da expansão. Ela quer se espalhar para todos. Mas a infelicidade também quer ser espalhada.

Se um dia você tiver dúvidas se está bem ou está mal, entre dentro de si e procure descobrir qual sentimento você deseja ao outro.

Se você deseja o bem para todos, você está bem. Se deseja apenas o mal, você está mal.

O mal que você deseja, é o mesmo mal que existe em seu interior e que te destrói. É exatamente o mesmo mal que surgirá em toda a sua vida. É o mal que você viverá e atrairá. É o mesmo mal que te assombrará até ser resolvido e transformado.

Aprenda a máxima: Só podemos dar ao outro aquilo que temos dentro de nós

Fique primeiro de bem contigo mesmo, pois somente assim seu bem poderá transbordar ao mundo.

A macieira não pode dar banana; a bananeira não pode dar limão. A rosa não esparge o aroma do lírio. Da mesma forma, o homem mau pode oferecer apenas o mau que tem em si. O homem de bem pode oferecer os frutos do bem que vem de sua alegria, de sua paz, de sua felicidade, de sua liberdade.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas a distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

 

 

 

Read Full Post »

Merecimento e entrega

 

MERECIMENTO E ENTREGA

Tenha certeza disso:

Nada do que nos acontece é por acaso.

Tudo o que nos chega, de bom e de ruim, é porque a pessoa precisa ou merece.

Não há nada em todo o universo que aconteça com uma pessoa que ela não mereça.

O próprio universo seria destruído caso algo saísse do lugar.

Tudo, absolutamente tudo o que ocorre em sua vida é porque você merece que isso ocorra com você. Não necessariamente porque você seja uma pessoa ruim, mas porque você precisa dessas experiências para sua elevação espiritual e sua libertação.

Se algum dia você não merecer mais algo de ruim que chega até você, pode ter certeza que essa negatividade vai embora. Mas enquanto ela ainda está com você… ela é necessária e vai te ajudar em seu progresso espiritual.

Não se esqueça, como se diz no Novo Testamento: “O amor cobre uma multidão de pecados”.

Quem ama adquire o merecimento e não precisa mais ficar preso ao vale de lágrimas da existência humana sofrendo, errando, nascendo e morrendo em centenas de vidas.

Se algum forte karma chega até você, aceite essa provação… Entregue tudo a Deus e diga “Deus, entrego a Ti minha vida. Aceito essas experiências, pois sei que elas vem para me transformar, para elevar e purificar meu espírito”.

Quem entrega tudo a Deus, confia na sabedoria infinita do cosmos, não reage, não se revolta, e apenas vive aquilo de forma indiferente e sem preocupações, vai aos poucos alterando seu karma. É nesse ponto que a transformação do nosso ser se inicia.

Mesmo que você perca tudo, entregue a Deus… Deixe que a inteligência infinita do plano divino guia sua vida. Nada se faz sem Deus. O cosmos é ordenado e harmonioso. Tudo tem um plano perfeito. Basta que você se sintonize com esse propósito divino e permita que as coisas fluam em sua vida. Esse é o momento onde o ponto de mutação se inicia…

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas a distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Qual o tamanho do seu mundo?

 

QUAL O TAMANHO DO SEU MUNDO?

Para o vírus, o universo inteiro se resume apenas a uma microscópica célula. Ele não consegue ver ou enxergar nada além daquela célula. Por isso, para ele, o todo é a célula.

O mesmo ocorre com a bactéria. Todo o universo se resume apenas a um tecido de um outro organismo. Para a bactéria, não há nada que esteja fora daqueles tecidos. Sua percepção do real é microscópica e enxerga apenas seu meio ambiente imediato.

Para o vegetal nada existe além da terra, da chuva, do seu meio e da luz do sol que o banha quase todos os dias.

Para o peixe de água doce, o universo inteiro é o rio onde ele nada e faz a sua existência. De acordo com a percepção do peixe, só existe a vida na água. Ele não consegue conceber algo fora da água e nem conhece coisa alguma além do rio onde vive. O universo inteiro é o rio e também a água onde ele nada, se alimenta e convive com outros peixes.

Para a formiga que vive debaixo da terra, toda a existência nada mais é do que caminhos e trilhas do subsolo. Para a minhoca ocorre o mesmo. A terra em que ela percorre se alimentando e fazendo caminhos subterrâneos é todo o universo. Nada existe além do subsolo e o todo, para a minhoca, é a terra.

A onça crê que só existe a floresta, os rios e a terra. Todo o universo se resume a floresta e aos animais que lá vivem. As árvores e as plantas fazem parte do seu cenário de vida. Mas nada há além da floresta e do que nela contém.

O mesmo ocorre com o gato que vive num apartamento; com o cachorro que mora numa casa e passeia na vizinhança; assim também é com todos os animais. Eles vivem para seu ambiente imediato. Seu ecossistema é, para eles, tudo o que existe. Em sua visão, nada há depois, simplesmente porque eles não enxergam além das fronteiras conhecidas.

Da mesma forma que o vírus, a bactéria, a árvore e os animais, o ser humano acredita que o universo é apenas aquilo que ele capta da vida humana. Ele crê que o todo se resume a sua família, seu trabalho, o trânsito, o dinheiro, as viagens, o conhecimento, sua personalidade, etc.

Aqui podemos indagar: qual o tamanho do seu mundo? Essa é uma pergunta que todos deveriam se fazer. A maioria acredita que enxerga tudo, sabe tudo, que suas crenças e seu mundo é o mais correto e mais verdadeiro. 

O homem já pode entrever alguma coisa fora do seu planeta, mas ele ainda crê que é o senhor da criação e que nada existe além dele. O ser humano é semelhante ao vírus que supõe ser a célula o centro do universo. Para o vírus, ele próprio é o senhor da criação, pois domina a célula que é tudo o que existe. 

Para o ser humano, ele domina o planeta e já vê fora do planeta; ele se crê, pois, o senhor da criação. No entanto, seria mais correto dizer que ele é o senhor de sua própria criação, mas talvez nem isso seja verdade, posto que a ilusão que ele criou do seu mundo é irreal e um dia vai se dissolver. 

O mundo é como sua célula e nada existe além do alcance de sua visão. Não será nosso mundo tão ínfimo diante do todo quanto é ínfima a célula para a percepção humana?

O ser humano considera os limites de sua percepção como reais e acredita que, se ele não capta, é porque não existe. Vive aprisionado ao seu próprio egocentrismo e prepotência. Todo ser é egocêntrico em relação aos limites de sua percepção que ele crê ser total e universal. Ao invés de buscar ir além, o ser humano prefere tentar controlar e se prender ao que já conhece, pois assim sente-se mais seguro diante do imenso abismo de incertezas da existência universal.

Da mesma forma que o vírus nem desconfia que há algo além da célula, o ser humano tampouco suspeita o que pode existir além de sua percepção. Como diz o ditado: “Para o martelo, todas as coisas são pregos”. Para o ser humano, todas as coisas são apenas o que ele percebe. Mas nossa percepção pode ser tão pequena, tão diminuta quanto a percepção do vírus é diante da célula. O planeta pode ser tão pequeno quanto uma célula, ou um átomo, diante do todo, do infinito.

O que há depois das fronteiras conhecidas? Podemos ser nada além do que uma poeira cósmica, tão insignificantes quanto um vírus ou uma bactéria, mas acreditamos que detemos todo o poder dentro dos rígidos limites do nosso parco conhecimento.

Não pare onde você está; não creia que o universo se limita a sua percepção; pare de viver no seu mísero mundinho; não acredite na ideia do “Se eu não vejo, não existe”. Há todo um infinito além, esperando para ser explorado. Não se detenha no seu ínfimo canteirinho. Continue seguindo para desvendar, passo a passo, a escada infinita da existência universal.

(Hugo Lapa)

Tratamento espiritual de vidas passadas a distância

portaldoespiritualismo@gmail.com

Read Full Post »

Morrer todos os dias

 

MORRER TODOS OS DIAS

Muitas pessoas têm medo da morte.

O medo de morrer parece ser uma das grandes marcas do ser humano nesse mundo.

No entanto, muitos não sabem que cada pessoa nasce e morre todos os dias.

Podemos morrer a cada segundo, e renascer no segundo seguinte.

Morrer não é perder o corpo físico…

Morrer é desistir de viver e deixar de seguir em frente.

Morremos um pouco todos os dias quando nossos medos substituem nossa esperança e nossa fé.

Morremos um pouco todos os dias quando passamos a nos reprimir, a nos cobrar excessivamente, a não aceitar nossos erros, e a esperar muito de nós mesmos.

Morremos um pouco todos os dias quando fazemos de outra pessoa nossa razão de viver… Mas quando essa pessoa a que demos nossa vida vai embora, acabamos morrendo internamente.

Morremos um pouco todos os dias quando nos culpamos por tudo e não nos perdoamos pelos nossos fracassos.

Morremos um pouco todos os dias quando não nos aceitamos como somos e sempre nos frustramos ao tentar viver tal como um ideal de pessoa que nós mesmos criamos.

Morremos um pouco todos os dias quando optamos nos moldar pela maioria, em seguir com a manada,. Assim, acabamos nos despersonalizando e morrendo por dentro para ser a imagem daquilo que a sociedade espera que sejamos.

Morremos um pouco todos os dias quando desistimos de duvidar e aceitamos as respostas prontas e acabadas que nos são vendidas em embalagens belas e enfeitadas.

Morremos um pouco todos os dias quando permitimos que a nau de nossa vida seja conduzida pelas correntezas e pelas ondas, ao invés de tomar o leme em nossas mãos e navegar.

Morremos um pouco todos os dias quando optamos pelo conforto da paralisia, pela proteção do hábito ou do igual, ao invés de encarar o esforço do novo, do desafio, da renovação, da transformação.

Morremos um pouco a cada dia quando acreditamos que já sabemos algo e não precisamos aprender mais.

Morremos um pouco a cada dia todas as vezes que escolhemos a superficialidade do julgamento ao invés da profundidade do entendimento; quando rotulamos sem pensar, padronizamos sem refletir, definimos algo ou alguém sem meditar ou quando passamos a ver sem enxergar.

Morremos um pouco todos os dias quando somos elogiados e nos deixamos levar pelo ego; quando somos criticados e nos deixamos abater pela baixa estima; quando somos agredidos e ficamos com ódio; ou principalmente… quando caímos no chão e não levantamos.

Morremos um pouco a cada dia quando fugimos da crise; quando evitamos a dor; quando tememos o sofrimento; quando não aprendemos com as dificuldades; quando ficamos entorpecidos diante do muro a nossa frente ao invés de escala-lo para continuar seguindo.

Morremos um pouco dentro de nós quando nos importamos demais com coisas pequenas, quando não perdoamos, quando guardamos rancor, quando acreditamos que somos sempre vítimas e não os responsáveis pela nossa existência.

Morremos um pouco a cada dia quando ficamos presos ao passado; aprisionados às alegrias ou às tristezas do que já se foi. Morremos também ao ficar projetando um futuro promissor, de sonhos e ideais, ao invés de ser feliz no momento presente.

Morremos um pouco todos os dias quando aceitamos as ilusões da vida e negamos a realidade; ou quando, finalmente, fugimos de tudo e de nós mesmos, não enfrentando de forma simples e direta a sombra que está dentro de nós.

(Hugo Lapa)

Tratamento Espiritual a distância com Captação Anímica

lapapsi@gmail.com

Read Full Post »

Deus do ser humano

O DEUS DO SER HUMANO
 
As pessoas costumam dizer que acreditam em Deus.
Mas no fundo elas apenas acreditam em si mesmas.
Esse fato é algo simples de ser visto na vida humana.
As pessoas fazem de sua razão o seu Deus.
Só o que elas acreditam ser verdade, é verdade…
Só o que elas acham que é certo, passa a ser certo.
Só o que elas querem que aconteça, é o que deve acontecer.
Se elas agem de tal forma, essa é a melhor forma de se agir.
O mundo de cada pessoa gira ao redor dela mesma.
O ser humano habituou-se a acreditar que é o centro do universo.
Costuma reduzir o todo aos seus pequeninos limites.
O seu Deus é ele mesmo.
O Deus do ser humano é seu prazer; ele larga tudo pela satisfação do momento.
O Deus do ser humano é o dinheiro. Qualquer perda financeira é para ele o fim da vida e nada sobra.
O Deus do ser humano é seu sentimento. O que ele sente sobre alguém, é a verdade desse alguém.
O Deus do ser humano é seu filho. Quando seu filho se vai, ele deixa de existir, pois vivia pelo filho.
Jesus disse: seja feita a vontade de Deus e não a minha vontade.
Já o ser humano diz: Seja feita a vontade de Deus, desde que esteja de acordo com a minha vontade.
Em Gênesis se diz que Deus criou o homem a sua imagem e semelhança.
Mas o ser humano acabou criando Deus a sua imagem e semelhança.
O ser humano não acredita no mistério da vida, pois crê tudo poder desvendar e alcançar.
No entanto, Deus lança o véu do mistério, e oculta dos sábios aquilo que revela aos simples de coração.
O Deus do ser humano é seu ego: suas vontades, seu julgamento, suas certezas, seu poder, suas minúsculas realizações e conquistas.
O ser humano diz que acredita em Deus, mas ele crê apenas no seu próprio reflexo.
O ser humano contempla o infinito e coloca uma série de limites e condições no infinito, e assim se aprisiona.
Muito dizem: “O meu Deus é o correto, o seu é errado”. “Meu Deus é bom, o seu é mau”.
No fundo ele está dizendo: eu sou bom, você é mau. Tudo aquilo que eu não acredito, é mau, é errado, é distorcido”.
No fundo, todos aqueles que dizem acreditar em Deus são ateus em relação ao Deus do outro.
São ateus até mesmo em relação ao seu próprio Deus, pois apesar de acreditarem, não o experimentam em suas vidas.
Na realidade, vivemos num mundo de ateus, pois todos dizem acreditar em Deus, mas creem apenas em si mesmos.
Por outro lado, o ser humano coloca Deus no céu, para que Ele não interfira no reinado do seu ego na Terra.
Mas a verdade é que Deus não está lá fora, está dentro; Deus não está longe, está aqui, Deus não está no futuro, está no presente; Deus não está na igreja, está em nosso interior.
Mas é preciso que nosso interior esteja puro, claro, vazio, para que possamos sentir Deus.
Quando cada pessoa atingir um estado de tranquilidade mental, esvaziamento do ego, equilíbrio, abrandamento das paixões, desapego e equanimidade, Deus estará presente…
Deus sempre esteja presente, mas nós somos incapazes de vê-lo.
Pois a única coisa que desejamos ver é a nós mesmos.

(Hugo Lapa)

Tratamento Espiritual a distância com Captação Anímica

lapapsi@gmail.com

 
 

 

Read Full Post »

Older Posts »